Esta foi a sua vida

Biblia

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Quatro cenários de 'fim do mundo' previstos por Stephen Hawking

Quatro cenários de 'fim do mundo' previstos por Stephen Hawking Há 2 horas Compartilhar PAImage copyrightPA Image caption Hawking já alertou várias vezes para a possibilidade de a própria humanidade desencadear o fim do mundo A humanidade corre o risco de ser extinta graças a perigos criados por ela mesma, segundo o físico britânico Stephen Hawking. Hawking foi o convidado deste ano das chamadas Reith Lectures – evento que desde 1948 convida pessoas de projeção pública para uma série anual de palestras transmitida pela emissora de rádio BBC Radio 4. Segundo o cientista, existem quatro cenários possíveis para um fim do mundo criado pela própria humanidade. E o progresso na ciência e tecnologia criará "novas formas de as coisas darem errado". "Apesar de serem baixas as possibilidades de um desastre no planeta Terra em um ano qualquer, isso vai se acumulando com o tempo e se transforma em uma quase certeza para os próximos mil ou dez mil anos", disse Hawking. Leia também: Por que o iPhone e a China preocupam a Apple Siga a BBC Brasil no Facebook e no Twitter Saltar o tocador de mídiaAjuda do tocador de mídiaFora do tocador de mídia. Pressione enter para voltar ou tab para continuar. Hawking já fez vários alertas antes a respeito dos perigos que a humanidade estava criando. Veja abaixo os quatro possíveis motivos para um fim do mundo, segundo a opinião do cientista. 1) Inteligência artificial Foto: Moviestore/Rex/Shutterstock Image caption O clássico de Kubrick, '2001: Uma Odisseia no Espaço' já previa um computador com inteligência artificial que saía de controle (Foto: Moviestore/Rex/Shutterstock) Stephen Hawking acredita que os esforços para criar máquinas que pensem sozinhas são uma ameaça à nossa existência. "O desenvolvimento de uma inteligência artificial total (AI) pode levar ao fim da raça humana", disse o físico à BBC em 2014. Segundo ele, as formas primitivas de inteligência artificial desenvolvidas até o momento já provaram ser úteis, mas Hawking teme as consequências de se criar algo que possa se igualar ou até superar os humanos. "(As máquinas) iriam evoluir sozinhas, refazer o próprio projeto a uma velocidade cada vez maior. Humanos, que são limitados por uma evolução biológica lenta, não poderiam competir e seriam substituídos." Hawking não é o único que teme a inteligência artificial. O cinema americano já tratou a questão como uma ameaça em vários filmes como 2001: Uma Odisseia no Espaço (de 1968), Bladerunner (de 1982), a série de filmes O Exterminador do Futuro, entre outros. Leia também: A misteriosa estrutura espacial gigante invisível que intriga astrônomos 2) Guerra nuclear Nasa Image caption O poder das armas nucleares aumentou muito desde os primeiros testes na década de 1950 (Foto: Nasa) Se as máquinas não nos matarem, nós poderemos fazer isso por conta própria. "O fracasso humano que eu mais gostaria de corrigir é a agressão", disse Hawking em uma palestra no Museu da Ciência de Londres, em 2015. "Pode ter sido uma vantagem para a sobrevivência na época dos homens das cavernas, para conseguir mais comida, território ou parceiros para reprodução, mas agora é uma ameaça que pode destruir todos nós." As armas de destruição em massa atuais são capazes de acabar com a vida na Terra, e a proliferação dos arsenais nucleares é uma grande preocupação mundial. "Uma grande guerra mundial significaria o fim da civilização e talvez o fim da raça humana", disse Hawking. 3) Vírus criado por engenharia genética AP/ArquivoImage copyright Image caption Segundo Hawking, vírus criados em pequenos laboratórios podem dar grande dor de cabeça futura à humanidade (AP/Arquivo) E as armas nucleares podem não ser a pior ameaça entre as invenções da humanidade. Em 2001, Hawking disse ao jornal britânico Daily Telegraph que a raça humana enfrenta a perspectiva de ser exterminada por um vírus criado por ela mesma. "No longo prazo, fico mais preocupado com a biologia. Armas nucleares precisam de instalações grandes, mas engenharia genética pode ser feita em um pequeno laboratório. Você não consegue regulamentar cada laboratório do mundo. O perigo é que, seja por um acidente ou algo planejado, criemos um vírus que possa nos destruir", disse o cientista ao jornal. "Não acho que a raça humana vai sobreviver aos próximos mil anos, a não ser que nos espalhemos pelo espaço. Há muitos acidentes que podem afetar a vida em um único planeta." Novamente, temores como esse já foram retratados por Hollywood. Filmes como 12 Macacos, Eu Sou A Lenda e a série Resident Evil são apenas alguns dos que mostram um cenário no qual vírus feitos pelos homens destroem a sociedade. 4) Aquecimento global Nasa Image caption Para o cientista, se aquecimento global continuar, a Terra corre o risco de ficar parecida com Vênus (Foto: Nasa) Stephen Hawking descreveu um cenário futurístico apocalíptico no documentário A Última Hora, de 2007. "Uma das consequências mais graves de nossas ações é o aquecimento global, causado pela emissão de crescentes níveis de dióxido de carbono resultantes da queima de combustíveis fósseis. O perigo é que o aumento da temperatura se transforme em (um processo) autossustentável, se é que já não está assim." "Secas e devastação de florestas estão reduzindo a quantidade de CO2 que é reciclada na atmosfera", afirmou. "Além disso, o derretimento das calotas polares vai reduzir a quantidade de energia solar refletida de volta para o espaço e assim aumentar ainda mais a temperatura. Não sabemos se o aquecimento global vai parar, mas o pior cenário possível é que a Terra se transforme em um planeta como Vênus, com uma temperatura de 250 graus na superfície e chuvas de ácido sulfúrico." "A raça humana não pode sobreviver nestas condições", acrescentou. Leia também: Que navegador para celular usar? Os pontos positivos e negativos de cada um

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Alemanha vai ganhar o primeiro “templo da religião mundial" o Templo do Anticristo

Alemanha vai ganhar o primeiro “templo da religião mundial” Berlim vai ganhar o primeiro "templo da religião mundial" Com o afluxo de milhões de refugiados para a Europa nos últimos meses, a Alemanha está no centro do debate que tem dividido os europeus. Principal destino dos homens e mulheres que desejam recomeçar a vida longe da pobreza e da guerra, o discurso alemão tem sido o da tolerância, em especial por que a imensa maioria dos que chegam são muçulmanos. Agora, a iniciativa House of One (Casa de Um Só) comemora o primeiro milhão de euros doado para a construção do que é chamado de o primeiro “templo da religião mundial”. O edifício servirá como sinagoga, mesquita e igreja ao mesmo tempo. O local multirreligioso é a primeira inciativa do gênero no mundo. O início das obras está marcado para os primeiros meses de 2016. Ano passado, quando o projeto foi lançado, o rabino Tovia Ben Chorin estava ao lado do pastor luterano Gregor Hohberg e do imã Kadir Sanci. A foto oficial mostra cada um deles segurando um tijolo, símbolo de sua união para a edificação do futuro templo. Enquanto em vários países do mundo os muçulmanos matam e perseguem os membros de outras religiões, na Europa secularizada, seu discurso é de “paz e tolerância”. Com orçamento de 43 milhões de euros, o site da House of One, disponível em sete idiomas, explica que qualquer pessoa poderá contribuir, comprando um tijolo. Ele usa o mesmo raciocínio dos projetos de crowdfunding, cada um dá um pouco para que no final todos ganhem. Também explica que os seguidores de outras religiões serão convidados para os diferentes cultos na House of One. O foco principal do templo multirreligioso é atrair os jovens, que dificilmente são vistos nas igrejas. Os judeus em Berlin são uma comunidade pequena. Por outro lado, a presença de muçulmanos é crescente em toda a Europa. O espaço que concretiza o ecumenismo será usado pelos islâmicos na sexta, judeus no sábado e cristãos no domingo, respeitando o “dia sagrado” de cada grupo. Nos demais dias da semana, terá atividades diversificadas. O projeto arquitetônico foi escolhido em um concurso e recebeu total apoio da Comunidade Judaica de Berlim, do Seminário Abraham Geiger, do Fórum de Diálogo Intercultural Islâmico e da Congregação Luterana das Igrejas. O prédio ficará na Praça Petriplatz, no centro histórico da cidade. O terreno está vazio e funciona como estacionamento. Curiosamente, durante séculos naquele terreno cristãos celebraram seus cultos. Vários prédios diferentes abrigaram congregações de cristãos, até a última igreja ser parcialmente destruída na Segunda Guerra Mundial. Acabou sendo demolida em 1964, durante o regime comunista, pois fica numa região que pertencia à antiga Alemanha Oriental.

terça-feira, 23 de junho de 2015

terça-feira, 19 de maio de 2015

Microchips: implantes como um aplicativo definitivo

Microchips: implantes como um aplicativo definitivo

Posted by  on 19/05/2015
chip-rfid-implantes
Microchip em Humanos: Com você “sob a sua pele”
Milhares de “entusiastas” da tecnologia vão usá-lo como o aplicativo final, o que lhes permitirá desbloquear-bloquear as suas casas, carros, telefones,computadores e celulares com um simples aceno de mão. 
Mas há um porém: eles devem ter um microchip inserido em seus próprios corpos. 
“E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imageme receber o SINAL na sua testa, ou na sua mão, também este beberá do vinho da ira de Deus…”.  Apocalipse 14:9-10

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@gmail.com
Microchip em seres humanos: com você “sob a sua pele”, o tempo todo.
Iain Gillespie – Sydney, Austrália
A ideia pode parecer estranha, e até dolorosa, mas implantar um microchip em humanos parece atrair não só os amadores (n.t. e inconscientes), que se chamam biohackers, mas também e principalmente, os governos, as forças policiais, autoridades médicas e empresas de segurança.
Ele envolve o uso de uma agulha hipodérmica para injetar um microchip RFID (identificação por radiofrequência), hoje cerca do tamanho de um grão de arroz, geralmente na mão ou no pulso da pessoa. O mesmo tipo de chip é usado para rastreamento de animais de estimação perdidos.
chip-rfid
Os implantes enviariam um número de identificação único que pode ser usado para ativar dispositivos como telefones e fechaduras, e pode conectar-se a bancos de dados que contêm informações ilimitadas, incluindo dados pessoais, tais como nomes, endereços, registros de saúde, habitos de gastos, viagens, etc…
Os Chips RFID já estão em toda parte. Basicamente, se você tem que usar um cartão (débito ou crédito), o seu ID esta codificado na tarja magnética. Se você tocá-lo em um leitor, como acontece com Myki, tem um chip RFID com seu número nele ligado ao banco de dados relevantes com sua informação sobre ela. Os últimos cartões de crédito têm tanto as barras bem como RFID. Algumas etiquetas RFID tem uma pequena bateria ou outra fonte de energia, permitindo-lhes operar distantes centenas de metros e que eles deste modo não precisam estar na linha de visão de um leitor ótico.
Tanto quanto sabemos, este tipo de Chip ainda não pode ser feito bem pequeno o suficiente para incorporar em seres humanos. O Cientista em Cibernética Dr. Mark Gasson, da Universidade de Reading, na Grã-Bretanha, tornou-se o primeiro ser humano a ser infectado com um vírus de computador, depois que ele injetou em si mesmo um microchip em 2009 para controlar dispositivos eletrônicos em seu escritório. O vírus foi replicada nos swipecards de funcionários que acessam seu prédio e infectou o banco de dados da universidade. 
rfid-visa-logo
No entanto, Gasson e outros cientistas dizem que um novo mundo com populações em massa de pessoas (chipadas) “informatizadas” é iminente e “inevitável”. Eles dizem que os dispositivos de computação complexos rotineiramente implantados em seres humanos por razões médicas também tem a tecnologia para melhorar as habilidades de pessoas saudáveis.
“Ele tem o potencial de mudar a própria essência do que é ser um ser humano”, diz Gasson. “Não é possível interagir na sociedade de hoje de forma significativa, sem ter um telefone celular. Acho que os implantes humanos de Chip vão surgir ao longo de uma rota similar. Será uma tal desvantagem não ter o implante que, essencialmente, isso não será opcional“.
No ano passado, a linha entre o homem e a máquina ficou ainda mais turva, quando a Universidade de Stanford anunciou que seus cientistas haviam criado o primeirotransistor puramente biológico que foi feito inteiramente de material genético.  O professor assistente de bioengenharia da Stanford Universuty, o Dr. de Drew Endy, descreveu a descoberta como o componente final necessário para um computador biológico que pode operar dentro de células vivas e reprogramar sistemas vivos.
Kevin Warwick, professor de cibernética da Universidade de Reading, tem um dispositivo eletrônico em seu corpo que faz a interface com o sistema nervoso, e tinha uma versão mais simples implantada no braço de sua esposa. Sinais rudimentares entre os dois provaram que a comunicação puramente eletrônica é possível entre dois sistemas nervosos humanos.
Kevin Warwick
Acima, o Professor Kevin Warwick e o seu braço com chip aciona um braço cibernético (robótico). Photo: REX
O braço “chipado” de Warwick lhe permite usá-lo através de um link de computador para operar um braço robótico em outro continente. O braço do robô vai imitar tudo o que os movimentos do braço e mão que ele faz com o braço natural. Mas a ligação com o sistema nervoso de sua esposa é tão rudimentar que ele diz que só pode saber se ela apenas moveu o braço dela.
O  empresário e ativista da internet do software livre de Melbourne, Austrália, Jonathan Oxer injetou-se com um microchip em 2004, depois de obter o mesmo kit que os veterinários usam para animais de estimação da família. Sua conta no Twitter o descreve como um cyborg em andamento.
Oxer usa o chip para operar fechaduras da casa e seu computador, e diz que depois de uma década dentro de seu corpo o implante não causou nenhum efeito colateral à sua saude. “Agora (o Chip) é como qualquer outra parte de mim. Eu nem sequer penso mais sobre isso”, diz ele.
Jonathan Oxer
Jonathan Oxer injetou-se com um microchip em 2004, depois de obter o mesmo kit que os veterinários usam para animais de estimação da família
A idéia do uso de implantes eletrônicos se generalizando nos seres humanos diz respeito a Drª Katina Michael, uma professor associada da Universidade de Wollongong, que é especialista nas implicações sócio-éticas de tecnologias emergentes. “Microchips RFID são, essencialmente, uma identificação única embutido em seu corpo, e, como sabemos, os números podem ser roubados e os dados podem ser hackeados.
Trazendo um número de problemas informáticos externos para o corpo humano é um caminho cheio de perigos”, diz ela. “Eles apontam para uma sociedade em estilo super-vigilância que é estilo Big Brother do lado de dentro olhando para fora.”
Os Governos ou grandes corporações que tenham a capacidade de acompanhar (rastrear) as ações e movimentos das pessoas (chipadas), categorizá-los em diferentes grupos políticos, raciais, religiosos ou de consumo sócio-econômicas e, finalmente, até mesmo controlá-los”.
microchip-europa-01
Michael se preocupa com as pessoas sendo forçadas ou coagidas a ter um chip implantado, algo que ela diz que é provável que já tenha acontecido. “É uma preocupação que pelo menos nove Estados norte-americanos demonstram e que até agora proibiram implantes de microchips forçados”, diz ela.
Mas em 2007 uma empresa chamada VeriChip injetou cerca de 200 pacientes com o Mal de Alzheimer, muitos deles incapazes, com microchips ligados a seus registros de saúde. Os pacientes foram fornecidos por uma casa de repouso na Flórida, que se  beneficiou do patrocínio da empresa. A polêmica começou depois que foi descoberto que a empresa VeriChip conduziu o estudo sem obter a necessária aprovação do Conselho de Revisão Institucional da Flórida, que supervisiona a proteção dos seres humanos em pesquisas.
Procurador-geral do México e altos membros de sua equipe foram implantados com VeriChips dando-lhes acesso às áreas de segurança de sua sede local, e militares e policiais do país estão declaradamente próximos para serem chipados. 
Morte
“E fez que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome”. Apocalipse 13:16 e 17
O Distribuidor VeriChip Solusat também anunciou um acordo com a Fundação Nacional para a Investigação de crianças perdidas e sequestradas do México, para promover a implantação de microchips nas crianças do país. Como os chips poderiam ajudar na sua localização ainda é incerto, uma vez que eles ainda não têm a tecnologia de rastreamento GPS.
A empresa VeriChip agora mudou seu nome para PositiveID  (controlada pelaApplied Digital Solutions) por causa de uma avalanche de publicidade negativa e emergiu como um desenvolvedor do que eles chamam agora por “sistemas de detecção biológica”.
Outras empresas também estão no mercado de implantes de microchips, e seus pesquisadores estão trabalhando duro para integrá-los com a tecnologia de localização via GPS. Quando eles tiverem sucesso nesse área de localização, os produtos estão previstas para ganhar um enorme mercado internacional, provavelmente o mundo inteiro.

Os opositores desta idéia estão lutando contra. “Tecnologia deste tipo é facilmente abusiva da privacidade pessoal”, diz Lee Tien, da Electronic Frontier Foundation. “Se uma criança é rastreável, você quer que os outros possam ser capazes de acompanhar o dia do seu filho? É uma enorme faca de dois gumes.”
Publicado originalmente em Maio de 2014.
Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.
thoth-escriba